O neurocientista e empreendedor Jeff Stibel foi convidado pela “BBC” a falar sobre sua abordagem futurista com relação à internet. Segundo Stibel, que é presidente-executivo da Dun & Bradstreet Credibility Corp., a grande rede seria uma nova forma de vida em estágio ainda embrionário, mas que já demonstra os primeiros sinais de inteligência.

“A fiação física da internet, com todas as conexões da rede, já funciona como um cérebro rudimentar, e algumas ações e interações que se dão na rede são similares aos processos que acontecem no cérebro humano”, diz Stibel. “Ao mesmo tempo, a internet está forçando nós humanos a interagir e a pensar de maneiras novas e diferentes”.

No entanto, segundo ele, isto é apenas o começo. “A internet só vai se tornar mais e mais inteligente, mudando a humanidade e a sociedade de maneiras que talvez ainda não sejamos capazes de compreender”.

Em seu paralelo “internet-cérebro”, Stibel explica que no lugar de neurônios temos computadores e conexões de banda larga no lugar de axônios e dendritos (nervos).

“No momento, com a internet, estamos criando um cérebro global. E já podemos ver isto acontecendo agora com o que as pessoas estão chamando de ‘consciente coletivo’, em locais como, por exemplo, a Wikipédia, em que um grande coletivo de voluntários vem depositando informações de forma organizada na rede, de tal modo que, quando consultado, este acervo nos devolve respostas”.

A Abranet, entidade que representa provedoras de acesso à Internet, divulgou nesta segunda-feira, 12/11, uma carta na qual reclama de uma das mudanças “no apagar das luzes” da tramitação do projeto na Câmara dos Deputados. O alvo é a alteração feita no artigo 15, que elimina a necessidade de decisão judicial para a retirada de conteúdos da rede. 


“A Abranet entende que a retirada ou alteração do artigo 15 desfigura de maneira indelével o Projeto de Lei do Marco Civil da Internet. Tal dispositivo trata da garantia de que o usuário da Internet não sofrerá remoção indiscriminada de conteúdos postados sem a apreciação pelo Poder Judiciário”, sustenta a entidade.

A Samsung superou a Apple em vendas de Smartphones no mundo pelo terceiro trimestre consecutivo e se consolidou como o principal fornecedor deste dispositivo.

No terceiro trimestre de 2012 (3T12) a Samsung vendeu 56,7 milhões de Smartphones, mais que o dobro que a Apple (26,9 milhões).

A Samsung assumiu pela primeira vez a liderança em vendas de Smartphones no mundo no 3T11, mas voltou a ser superada pela Apple no 4T11, devido ao sucesso do iPhone 4.

Dificilmente o mesmo ocorrerá em 2012. O iPhone 5 lançado em setembro pela Apple não apresentou o mesmo grau de inovação dos modelos anteriores o que deve impactar as suas vendas.

A alteração no Artigo 15 do projeto de lei 2126/11, chamado de Marco Civil da Internet, está gerando uma série de preocupações dos envolvidos no processo de criação de uma "Constituição da Internet". A Associação Brasileira de Internet (Abranet), por exemplo, divulgou uma carta afirmando que a retirada extrajudicial de conteúdo em 24 horas sem direito de resposta" distorce o projeto inicial e, em última instância, coloca em risco direitos constitucionais de livre expressão dos usuários brasileiros de internet". 

 

Para Sergio Amadeu, sociólogo e Doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo e estudioso da internet, a remoção de conteúdo sem ordem judicial é inaceitável. "Com ela já temos uma série de arbitrariedades, sem ela seremos alvo de censura instântanea", declarou.